Confie em mim

Você não tem escolha.

Quando eu te ver de novo, eu vou te abraçar bem forte, e isso vai ser infinito, como eu e você juntos. Hoje foi o dia que mais certamente senti sua falta, e quis chorar no meio de umas 200 pessoas em uma festa que me forçaram a ir. Eu nunca precisei dançar e beber e fingir que tenho milhares de amigos da “high society ” para poder ser feliz. Eu só precisava chamar seu nome no portão, e depois me aconchegar na sua cama “quebra-não-quebra” e me aninhar no seu peito e te ouvir reclamar do meu cabelo sujo ou da minha camisa que agora é sua. Uma hora eu tava parado no meio daquele monte de gente se balançando com uma música doida, e falaram: “vai procurar seu amigo pra conversar. Vocês conversaram meia hora, ele é seu amigo agora!” Eu tive vontade de gritar que ele não era meu amigo, porque ele não era você. Ele nao sabia nem o macarrão que eu gosto de comer.
Você não ê só minha amiga, minha mulher de faz de conta. Você é um pedaço meu que anda por aí, e que sabe mais de mim do que muita gente.
A gente não precisa se falar todo dia, porque a gente só precisa saber que o outro ta ali, porque quando a gente se encontra, é como se você tivesse acabado de me deixar em casa em sua moto.
Então, por favor, quando a gente se encontrar, me abrace, e me deixe chorar um tanto no seu colo, porque ele é onde eu quero estar agora, e quando eu chegar nele, vou ta mil vezes mais feliz do que todas essas pessoas que não sabem como é bom ter algo mais concreto do que essa vida superficial… Não sabem como é bom ter alguém como você.

Quando o dia tiver bem claro, as luzes bem acesas e tudo tiver quentinho e aconchegante junto de quem você ama, aproveite casa segundo, olhe para cada espaço, sinta cada cheiro, cada aperto, cada abraço. Porque, quando tudo tiver escuro e você tiver sozinho e as coisas ficarem mais frias do que costumavam ser, você vai lembrar direitinho onde pode pisar e por onde deve seguir, e você vai lembrar dos cheiros, e do amor, e do calor, e isso vai te fazer ficar mais em pé para ver o final desse escuro chegar e ver tudo brilhando de novo.

É que eu to meio triste mesmo, amigo. Não é tão fácil assim dizer “tchau, até daqui a um ano”. Não ta sendo tão lindo e poético quanto eu pensei que seria. 

É que eu to meio triste mesmo, amigo. Não é tão fácil assim dizer “tchau, até daqui a um ano”. Não ta sendo tão lindo e poético quanto eu pensei que seria. 

“– Sim, sim, sim. Você tem dezoito anos e sabe tudo sobre todos os mistérios do mundo. Eu também sabia na sua idade, esqueceu que também fui jovem? Você me acha um velho gagá e babão, não acha? Pois saiba que um velho é só alguém que já foi jovem, tipo, umas cinco vezes seguidas. Acredite garoto, você pensa que lê e compreende a vida, mas, vai por mim, você não sabe de nada.” - Gabito Nunes 

– Sim, sim, sim. Você tem dezoito anos e sabe tudo sobre todos os mistérios do mundo. Eu também sabia na sua idade, esqueceu que também fui jovem? Você me acha um velho gagá e babão, não acha? Pois saiba que um velho é só alguém que já foi jovem, tipo, umas cinco vezes seguidas. Acredite garoto, você pensa que lê e compreende a vida, mas, vai por mim, você não sabe de nada.” - Gabito Nunes 

Senta aqui garota, isso, na minha frente, porque eu preciso jogar na sua cara, agora, de uma vez, tudo o que eu acho, tudo o que eu penso, tudo o que eu sinto, relacionado a você e a forma ridícula que você faz meu coração acelerar, minhas mãos suarem, minhas pernas ficarem bambas.Vou ficar mais calmo assim, derramando tudo de uma vez em você, assim você me acha louco e para de falar de vez comigo, e eu nunca mais vou ter que olhar na sua cara, porque vou ta morto de vergonha e me fará parar de sentir isso tudo, até porque a possibilidade de você corresponder a isso é praticamente nula. Eu to cansado de ficar incomodado por tão ter nenhum contato concreto contigo, por não saber seu perfume ou sua cor predileta. É torturante falar com você encarando meus olhos, sem saber se você faz isso somente por ser uma garota bem educada e gostar de dar atenção a pobres coitados como eu. É agonizante ter que ficar lembrando de cada palavra e gesto seu naquela nossa conversa de dois minutos, tando achar alguma evidência. Não sorria, por favor, seria crueldade com meu coração que deve ta com uma pressão 20x15, não mexa no seu cabelo, não puxe mais conversa. Por favor, me destrate, diga que sou louco, me faça ter raiva de você, dia que tem raiva de mim, é melhor do que eu querer você, sem a menor certeza se você sente ao menos algo por mim.

Senta aqui garota, isso, na minha frente, porque eu preciso jogar na sua cara, agora, de uma vez, tudo o que eu acho, tudo o que eu penso, tudo o que eu sinto, relacionado a você e a forma ridícula que você faz meu coração acelerar, minhas mãos suarem, minhas pernas ficarem bambas.Vou ficar mais calmo assim, derramando tudo de uma vez em você, assim você me acha louco e para de falar de vez comigo, e eu nunca mais vou ter que olhar na sua cara, porque vou ta morto de vergonha e me fará parar de sentir isso tudo, até porque a possibilidade de você corresponder a isso é praticamente nula. Eu to cansado de ficar incomodado por tão ter nenhum contato concreto contigo, por não saber seu perfume ou sua cor predileta. É torturante falar com você encarando meus olhos, sem saber se você faz isso somente por ser uma garota bem educada e gostar de dar atenção a pobres coitados como eu. É agonizante ter que ficar lembrando de cada palavra e gesto seu naquela nossa conversa de dois minutos, tando achar alguma evidência. Não sorria, por favor, seria crueldade com meu coração que deve ta com uma pressão 20x15, não mexa no seu cabelo, não puxe mais conversa. Por favor, me destrate, diga que sou louco, me faça ter raiva de você, dia que tem raiva de mim, é melhor do que eu querer você, sem a menor certeza se você sente ao menos algo por mim.

Você lembra de como tudo começou? … é, eu também não. Não lembro de nada, e também não quero lembrar, o que eu quero lembrar mesmo é da essência de tudo, da nossa amizade que há de não acabar.  Você lembra das tardes sem fazer nada? Dos textos em apenas um olhar? Das risadas descontroladas, das piadas sem graça, dos trocadilhos frequentes? Você lembra dos comentários sórdidos, dos segredos, dos amigos da lua? Eu lembro, lembro de tudo, tudinho, juro, parece que eu acabei de chegar de uma aula chata de matemática e que apenas recebi uma sms sua combinando de estudar história, que só dava para estudar a nossa história, porque na do Brasil a gente parava. Você lembra de quando você chegou lá em casa e chorou? Eu lembro… lembro de como foi difícil pra mim, de como eu quis morrer ou matar alí, de quanto eu quis chorar também, mas não podia. Eu só queria ser o mais forte que você merecia que eu fosse, eu só queria ser o melhor que você merecia ter alí. Eu só queria ser útil naqueles momentos, e graças a você eu me senti mais vivo, mais humano. Você lembra que eu te amo? Pois lembre, lembre todos os dias, lembre todos os segundos, que existe alguém que se importa com você, que não se contenta em não te ver satisfeita, que te deseja toda a felicidade que esse mundo pode ou não te proporcionar. Que tem alguém que se machucaria pra não te ver machucada. Te amo muito myrnoquinha, e esse texto é pra você.

Você lembra de como tudo começou? … é, eu também não. Não lembro de nada, e também não quero lembrar, o que eu quero lembrar mesmo é da essência de tudo, da nossa amizade que há de não acabar.
Você lembra das tardes sem fazer nada? Dos textos em apenas um olhar? Das risadas descontroladas, das piadas sem graça, dos trocadilhos frequentes? Você lembra dos comentários sórdidos, dos segredos, dos amigos da lua? Eu lembro, lembro de tudo, tudinho, juro, parece que eu acabei de chegar de uma aula chata de matemática e que apenas recebi uma sms sua combinando de estudar história, que só dava para estudar a nossa história, porque na do Brasil a gente parava.
Você lembra de quando você chegou lá em casa e chorou? Eu lembro… lembro de como foi difícil pra mim, de como eu quis morrer ou matar alí, de quanto eu quis chorar também, mas não podia. Eu só queria ser o mais forte que você merecia que eu fosse, eu só queria ser o melhor que você merecia ter alí. Eu só queria ser útil naqueles momentos, e graças a você eu me senti mais vivo, mais humano.
Você lembra que eu te amo? Pois lembre, lembre todos os dias, lembre todos os segundos, que existe alguém que se importa com você, que não se contenta em não te ver satisfeita, que te deseja toda a felicidade que esse mundo pode ou não te proporcionar. Que tem alguém que se machucaria pra não te ver machucada. Te amo muito myrnoquinha, e esse texto é pra você.

Eu queria um motivo, um assunto, algo para puxar conversa contigo todos os dias, antes de dormir, da mesma forma que tenho para escrever agora esse texto. Não posso dizer que sinto algo, mas também não posso negar que não tem nada. Afinal, quando consigo uma desculpa para falar contigo, durmo mais tarde para acordar na mesma hora de sempre. E me alegra você não deixar a conversa morrer. Não crio expectativas, acho que você só é educada mesmo. Ou ao menos tento não criar a cada “like” que você dá em algo meu, que me faz pular do sofá. Ou algo que você fala que eu queria que realmente fosse um interesse seu.Bem, deixo aqui uma boa noite, fique com Deus e durma bem, garota. Obrigado por me dá um motivo para escrever.
P.s: Se um dia algo for real, te mostrarei esse texto.

Eu queria um motivo, um assunto, algo para puxar conversa contigo todos os dias, antes de dormir, da mesma forma que tenho para escrever agora esse texto. Não posso dizer que sinto algo, mas também não posso negar que não tem nada. Afinal, quando consigo uma desculpa para falar contigo, durmo mais tarde para acordar na mesma hora de sempre. E me alegra você não deixar a conversa morrer. Não crio expectativas, acho que você só é educada mesmo. Ou ao menos tento não criar a cada “like” que você dá em algo meu, que me faz pular do sofá. Ou algo que você fala que eu queria que realmente fosse um interesse seu.
Bem, deixo aqui uma boa noite, fique com Deus e durma bem, garota. Obrigado por me dá um motivo para escrever.

P.s: Se um dia algo for real, te mostrarei esse texto.

Texto para não passar em branco!

Bem, dois mil e treze está prestes à acabar, e essa é a ultima noite/madrugada dele, e eu gostaria de escrever algumas coisas para ele. Talvez esse ano tenha sido o melhor da minha vida, até o exato momento, e eu não poderia deixar ele passar sem mais um desses textos bregas e chatos que todo mundo faz na reta final do ano que se passa. Se você está lendo esse texto por eu ter te enviado ele por inbox, pensei em você enquanto escrevia ele, você foi teve uma grande participação especial na minha vida esse ano (não sei se parabenizo por isso, afinal, pode não ter sido tão bom assim para você).

Não sei exatamente como descrever como foi esse ano pra mim, mas acho que “maravilhoso” talvez o descreva bem. Eu pude aprender tantas coisas, sobre mim, sobre os outros, sobre Deus, sobre ser feliz. Desculpe, eu realmente não sei o que falar aqui, então muito provavelmente, esse texto seja exatamente como eu falo: rápido, apenas com um monte de ideias jogadas e quem tiver capacidade de entender um ~louco~ talvez o entenda.

Esse ano eu pude ser mais confiante e descobrir coisas que sempre existiram em mim e eu sempre quis esconder, eu descobri, com alguns empurrões, que eu posso cantar se eu quiser, e eu posso atuar e dançar se eu quiser e ACREDITAR que eu posso mesmo que me digam que eu não posso. Eu tive bons exemplos disso que foram, de uma forma bem particular crucial para minha vida… “Eu posso! Quem disse que não?! Tem que ser atrevido mesmo, senão a coisa não anda!”. Você entendeu, eu sei.

Em 2013 eu pude, de várias formas diferentes aprender a amar os outros, e que minha felicidade está INTEIRAMENTE ligada à felicidade do próximo (e não a seus atos).  Eu aprendi a ser feliz e plenamente realizado vendo os outros sendo felizes, e eu sabendo, dentro de mim, que eu ajudei um pouquinho nisso. Eu aprendi/aprendo a amar as pessoas que eu sinceramente não gostaria de amar, mas que se eu não as amo, quem vai amá-las por mim? Eu aprendi que essa felicidade não está ligada à grandes atos, a grandes coisas, apenas um pequeno “doninhas?” pôde fazer meu dia ridicularmente feliz (tomara que um dia você leia isso e entenda). Eu aprendi que se você é ferido por alguém, não quer dizer que essa pessoa seja uma completa megera, talvez ela seja a melhor pessoa da face da terra.

Eu aprendi que não sou mais uma criancinha, que afinal, tenho  v-i-n-t-e-a-n-o-s  e já tenho que enfrentar meus problemas de peito, de frente, dando a cara a tapa mesmo que a tapa as vezes saia da minha própria mão. Que eu já tenho condições de pagar uma conta, de passar horas em filas de serviços públicos, ficar endividado, a cobrar dos outros, a ser cobrado. Que posso assistir filmes de terror e depois ter que dormir só já que não estou mais na casa de meus pais para chamar por eles caso tenha pesadelos.  Aprendi que é preciso, realmente, ser responsável e que minha mãe não brincava quando dizia isso.

Em 2013 foi bem esclarecido que “é justo que muito custe o que muito vale”… que seus sonhos podem sim se realizar, mas que não será como em contos de fadas, eles não vão simplesmente acontecer… você terá que se esforçar de verdade, deixar algumas coisas pra trás, e até sofrer um pouco (principalmente de ansiedade). Para todo bônus tem seu ônus.

Fiz novos amigos, sim, amigos de verdade, que eu posso contar mesmo, que se eu não tiver bem eles vão dizer alguma coisa mais útil do que “vai da tudo certo”. Que vão estar na minha casa para engordar e assistir filme se eu chamar, ou se eu não chamar também. Que, as vezes, nem conversando muito vai saber dizer palavras que vão me ajudar. Que se intrometem na minha vida e não estão nem aí para meus vizinhos. Aqueles que fingem não gostar de você e sempre vão ter alguma brincadeira ou piadinha na ponta da língua. Que viajem para te ver, para estar em sua companhia e que te faça entender o que é amizade… ou que viaje com você, seja dentro da cidade, fora dela, ou em parado em casa mesmo.  Que se fixaram mesmo a cada nota baixa, a cada desespero de reprovação, a cada “vai da certo omi, vai da certo”Não são muitos, e tá ótima essa quantidade.

Fiz novos amigos, não amigos novos, até porque os antigos e bons de verdade sempre permaneceram, sempre estiveram e creio eu que sempre estarão, e eu faço questão de manter todos próximo aqui, em meu peito, mesmo conversando pouco, mesmo fazendo pouco. Mas estão aqui… bem aqui e não tem quem tire.

Redescobri o valor das pequenas coisas, aquelas, pequeninhas. Ler! DEUS, COMO AMO LER, COMO AMO ENTRAR NUMA LIVRARIA E FICAR NEM QUE SEJA SÓ OLHANDO PARA OS LIVROS, OU COMPRANDO ELES SEM SABER QUANDO IREI LÊ-LO. Assistir séries, dormir, ir a praia, ver estrelas antes de dormir, falar que tá com saudades…

Viajei, conheci outras cidades, outros estados, outros sorrisos e cheiros. Descobri até onde eu posso pisar sem cair no chão. Redescobri que sempre tem Alguém maior que tudo para me ouvir.

Maravilhoso, acho que talvez o descreva bem.

E sobre 2014? Bem, faço minhas às palavras de Emmir Nogueira: “Cansei! Cansei de fazer planos de virtude que duram três meses. Cansei de fazer promessas de conversão que não consigo cumprir. Este ano, resolvi fazer diferente. Nada de promessas. Nada de planos. Resolvi pedir. Isso mesmo: pedir ao invés de dar, esperar ao invés de prometer. Pedir, abrir o coração de par em par e esperar tudo a que eu não tenho direito, assim, cara de pau, mesmo, pedindo o que não mereço, esperando o que não conquistei, confiante como quando era menina e meu pai dizia: “Abre a boca e fecha os olhos”. Isso mesmo! Cansei de fazer meus planos e chamá-los de planos de Deus. Inverti as coisas: não faço planos e Deus me usa. Nada de canseira, nada de desgastes, nada de decepções comigo mesma. Deus faz o que quer, eu desejo, digo sim, e pronto: tudo fica perfeito! Tira de mim tudo o que possa estragar ou distorcer o trabalho da Tua mão. Que o Teu Espírito Santo me faça limpa e pronta para receber tão grande dom.”

Obrigado 2013, venha 2014, te espero ;)

"E é isso que os amigos fazem. Eles se encontram e ficam juntos quando a coisa aperta. Amigos valem qualquer esforço, amigos valem a pena (…) Há muitas coisas na vida difíceis de entender, e ainda maior é o desafio de colocá-las em palavras. A amizade com certeza é uma delas" - Daytripper

"E é isso que os amigos fazem. Eles se encontram e ficam juntos quando a coisa aperta. Amigos valem qualquer esforço, amigos valem a pena (…) Há muitas coisas na vida difíceis de entender, e ainda maior é o desafio de colocá-las em palavras. A amizade com certeza é uma delas" - Daytripper

Quantos gritos de euforia e de loucura podem existir no teu calmo silêncio, antes que a bolha estoure e você não possa mais segurar o que você prende para te prender?Quantos “você” pode existir no outro que você odeia, ao ponto de você odiar a você mesmo e nem perceber?Quantos sonhos podem haver ena sua caixinha de música? e quantas realizações podem te tomar ao ouvir o som que ela produz?Quantas alegrias em um sorriso, quantas paixões em um abraço, quantas ansiedades em um cruzar de dedos, em um morder de lábios? Quanta negação em um fechar de olhos? Quantas verdades podem haver em você?Quanto você em você? 

Quantos gritos de euforia e de loucura podem existir no teu calmo silêncio, antes que a bolha estoure e você não possa mais segurar o que você prende para te prender?
Quantos “você” pode existir no outro que você odeia, ao ponto de você odiar a você mesmo e nem perceber?
Quantos sonhos podem haver ena sua caixinha de música? e quantas realizações podem te tomar ao ouvir o som que ela produz?
Quantas alegrias em um sorriso, quantas paixões em um abraço, quantas ansiedades em um cruzar de dedos, em um morder de lábios? Quanta negação em um fechar de olhos? Quantas verdades podem haver em você?
Quanto você em você? 

Hoje eu tava correndo pra pegar um ônibus, e você veio em minha mente, tão rápido, mas o suficiente para eu sentar no banco e passar o caminho inteiro pensando na nossa “adolescência rebelde” Sabe quando você tava com um problema que corria e me abraçava  e começava a chorar? Eu me sentia seu porto seguro e sentia que nada ia te atingir sem antes passar por mim, e eu não me importava se fosse uma pedra ou uma bala. Sabe quando você passava a tarde la em casa sem fazer nada? Eu sabia que aquelas eram as melhores tardes que eu poderia ter, porquê você era, sem duvidas, a melhor pessoa que eu poderia estar, mesmo roubando meu violão  e pedindo pra eu cantar com você, mesmo sabendo que minha voz é horrível.Sabe aqueles segredos dos meus sonhos de um futuro emocionante que eu compartilhava só com você, e você os seus comigo? Eu sabia que não poderia confiar em mais ninguém, porquê você era a melhor caixinha que eu tinha.Sabe quando eu insistia em você me carregar no braço ou nas costas, e você nunca conseguia? Era porque você conseguia que eu tentava… quando nada estava bem, era você quem me sustentava e eu não caia. Sabe quando eu chorei quando você teve que ir embora? Foram as lágrimas mais verdadeiras que eu pude derramar… porquê não era somente como uma pessoa mais especial indo embora… era como se uma parte de mim tivesse sido arrancada com um canivete cego, sem eu poder relutar. Sabe quando você me ofereceu o primeiro cigarro ou quando você me falou que estava namorado uma menina, e quando eu vi aquela tatuagem nova? Eu me senti péssimo… não por esses fatores, mas por eu não ter sido o primeiro a saber, mas eu preferi fechar os olhos e acreditar que foi só um desleixo mesmo e que era a minha menina de sempre.E sabe porque eu estou escrevendo tudo isso antes de descer na próxima parada? Porque eu tenho muita gente a minha volta… mas ninguém é você.

Hoje eu tava correndo pra pegar um ônibus, e você veio em minha mente, tão rápido, mas o suficiente para eu sentar no banco e passar o caminho inteiro pensando na nossa “adolescência rebelde” 
Sabe quando você tava com um problema que corria e me abraçava  e começava a chorar? Eu me sentia seu porto seguro e sentia que nada ia te atingir sem antes passar por mim, e eu não me importava se fosse uma pedra ou uma bala. 
Sabe quando você passava a tarde la em casa sem fazer nada? Eu sabia que aquelas eram as melhores tardes que eu poderia ter, porquê você era, sem duvidas, a melhor pessoa que eu poderia estar, mesmo roubando meu violão  e pedindo pra eu cantar com você, mesmo sabendo que minha voz é horrível.
Sabe aqueles segredos dos meus sonhos de um futuro emocionante que eu compartilhava só com você, e você os seus comigo? Eu sabia que não poderia confiar em mais ninguém, porquê você era a melhor caixinha que eu tinha.
Sabe quando eu insistia em você me carregar no braço ou nas costas, e você nunca conseguia? Era porque você conseguia que eu tentava… quando nada estava bem, era você quem me sustentava e eu não caia. 
Sabe quando eu chorei quando você teve que ir embora? Foram as lágrimas mais verdadeiras que eu pude derramar… porquê não era somente como uma pessoa mais especial indo embora… era como se uma parte de mim tivesse sido arrancada com um canivete cego, sem eu poder relutar. 
Sabe quando você me ofereceu o primeiro cigarro ou quando você me falou que estava namorado uma menina, e quando eu vi aquela tatuagem nova? Eu me senti péssimo… não por esses fatores, mas por eu não ter sido o primeiro a saber, mas eu preferi fechar os olhos e acreditar que foi só um desleixo mesmo e que era a minha menina de sempre.
E sabe porque eu estou escrevendo tudo isso antes de descer na próxima parada? Porque eu tenho muita gente a minha volta… mas ninguém é você.

Porque você volta. Sempre volta. Sempre voltou e sempre irá voltar. Ou pelo amor, ou pela dor. Pelo amor de querer sempre ficar, ou pela dor de não ter mais e querer de volta aquilo que sempre foi seu.

Porque você volta. Sempre volta. Sempre voltou e sempre irá voltar. Ou pelo amor, ou pela dor. Pelo amor de querer sempre ficar, ou pela dor de não ter mais e querer de volta aquilo que sempre foi seu.

"Então, acho que somos quem somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas. Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui. Ainda podemos fazer as coisas. E podemos tentar ficar bem com elas" - As vantagens de ser invisível.

"Então, acho que somos quem somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas. Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui. Ainda podemos fazer as coisas. E podemos tentar ficar bem com elas" - As vantagens de ser invisível.

Eu queria escrever alguma coisa útil, sabe? Queria me sentar e escrever um texto fascinante, que todos amassem, e sentissem suas vidas nele, e vissem nele alguma parte de sua vida. Mas, ultimamente, eu escrevo meus textos, quando os finalizo (quando consigo), apago, porque provavelmente está mais ridículo do que o cabelo do Supla… e é bem isso que eu to com vontade de fazer agora, mas prometi a mim mesmo que dessa vez não o faria. Leio alguns textos e realmente me sinto enquadrado em cada letra,palavra,linha,estrofe, e fico me perguntando o porquê de não ter sido eu que escreveu aquele texto, não há palavras difíceis nem filosofias utópicas… há apenas o autor ali, derramado naqueles trechos. Queria poder me derramar assim também. Na verdade, acho até que me entrego de tal forma em meus textos, talvez seja porquê algumas coisas em mim são confusas de mim, e ninguém é confuso o suficiente para adentrar e se encontrar em meio a uma bagunça… digo, entendeu? Não sei se você vai capitar a mensagem, porque nem sei se na verdade está lendo, porque eu, particularmente, não leria algo que eu escrevesse, não acho que eu seja interessante o suficiente para que queiram me ler derramado nas linhas de um texto. Mas o fato é que eu realmente gostaria de escrever alguma coisa útil, e isso foi tudo que eu realmente consegui produzir, me transformar em letras sobre o papel e me deixar ser lido mesmo que ninguém entenda.

Eu queria escrever alguma coisa útil, sabe? Queria me sentar e escrever um texto fascinante, que todos amassem, e sentissem suas vidas nele, e vissem nele alguma parte de sua vida. Mas, ultimamente, eu escrevo meus textos, quando os finalizo (quando consigo), apago, porque provavelmente está mais ridículo do que o cabelo do Supla… e é bem isso que eu to com vontade de fazer agora, mas prometi a mim mesmo que dessa vez não o faria.
Leio alguns textos e realmente me sinto enquadrado em cada letra,palavra,linha,estrofe, e fico me perguntando o porquê de não ter sido eu que escreveu aquele texto, não há palavras difíceis nem filosofias utópicas… há apenas o autor ali, derramado naqueles trechos. Queria poder me derramar assim também. Na verdade, acho até que me entrego de tal forma em meus textos, talvez seja porquê algumas coisas em mim são confusas de mim, e ninguém é confuso o suficiente para adentrar e se encontrar em meio a uma bagunça… digo, entendeu? Não sei se você vai capitar a mensagem, porque nem sei se na verdade está lendo, porque eu, particularmente, não leria algo que eu escrevesse, não acho que eu seja interessante o suficiente para que queiram me ler derramado nas linhas de um texto. Mas o fato é que eu realmente gostaria de escrever alguma coisa útil, e isso foi tudo que eu realmente consegui produzir, me transformar em letras sobre o papel e me deixar ser lido mesmo que ninguém entenda.

Querida.
Não pensei que as coisas fossem tomar proporções tão grandes quanto aquela escola, afinal, você passou da irmã caçula do meu melhor amigo estranho, para o amor da minha vida.
Agora estou indo resolver a minha vida, correndo o risco de perde-la de mim mesmo, mas sei que ela estará viva de alguma forma em você, já que você é a maior razão de eu permanecer aqui. Talvez eu não volte a ver seus cabelos ruivos outra vez… se eu soubesse que eu correria este risco algum dia, talvez eu tivesse ficado trancado naquele lugar escondido do banheiro feminino que eu te encontrei um dia, perdida e apagada… é claro, se eu tivesse condições de te manter viva e eu não tivesse apenas 13 anos e pensasse menos naquele esporte e mais em garotas… em você.
Talvez eu não volte a ver aquela correria toda que é na sua casa no horário do café da manhã. Se eu não voltar, diga a sua mãe que ela sabe como ser família, e ao seu pai que patinhos-de-borracha não são mais do que meros adereços decorativos para a ora do banho. Diga aos seus irmãos gêmeos que eles tem as melhores piadas. Saiba que a sua família era a família que eu queria ter tido… tido por mais tempo, pois a partir do momento que eu conheci, a tomei como minha, e pretendo um dia me tornar, oficialmente, membro dela, se é que você me entende.
E se eu voltar… se eu conseguir resolver essa minha “vida”, ou morte, quem sabe… E se seu sorriso e seus ruivos cabelos forem meus, e se eu tiver seus irmãos me esperando com uma “giringonsa” para me fazer rir, e se sua mãe fizer um casaco de “crochê”, se seu pai ainda estiver me enchendo de perguntas e se meu melhor amigo não me matar por estar com você, e ele estiver com aquela que a gente sabe que o ama, e vice-versa… se eu estiver de volta para as pessoas que me mostraram o que é família, prometo te dar uma, não melhor que essa, mas igual (pra mim já ta bom), construída por nós dois… nós, e sem quartos debaixo da escada.
Estou indo embora, e eu prometo tentar voltar. Eles podem querer te usar para me pegar, e eu não posso perder você… caso contrário eu nunca mais me acharia.

Com muito amor, Harry.

Querida.

Não pensei que as coisas fossem tomar proporções tão grandes quanto aquela escola, afinal, você passou da irmã caçula do meu melhor amigo estranho, para o amor da minha vida.

Agora estou indo resolver a minha vida, correndo o risco de perde-la de mim mesmo, mas sei que ela estará viva de alguma forma em você, já que você é a maior razão de eu permanecer aqui. Talvez eu não volte a ver seus cabelos ruivos outra vez… se eu soubesse que eu correria este risco algum dia, talvez eu tivesse ficado trancado naquele lugar escondido do banheiro feminino que eu te encontrei um dia, perdida e apagada… é claro, se eu tivesse condições de te manter viva e eu não tivesse apenas 13 anos e pensasse menos naquele esporte e mais em garotas… em você.

Talvez eu não volte a ver aquela correria toda que é na sua casa no horário do café da manhã. Se eu não voltar, diga a sua mãe que ela sabe como ser família, e ao seu pai que patinhos-de-borracha não são mais do que meros adereços decorativos para a ora do banho. Diga aos seus irmãos gêmeos que eles tem as melhores piadas. Saiba que a sua família era a família que eu queria ter tido… tido por mais tempo, pois a partir do momento que eu conheci, a tomei como minha, e pretendo um dia me tornar, oficialmente, membro dela, se é que você me entende.

E se eu voltar… se eu conseguir resolver essa minha “vida”, ou morte, quem sabe… E se seu sorriso e seus ruivos cabelos forem meus, e se eu tiver seus irmãos me esperando com uma “giringonsa” para me fazer rir, e se sua mãe fizer um casaco de “crochê”, se seu pai ainda estiver me enchendo de perguntas e se meu melhor amigo não me matar por estar com você, e ele estiver com aquela que a gente sabe que o ama, e vice-versa… se eu estiver de volta para as pessoas que me mostraram o que é família, prometo te dar uma, não melhor que essa, mas igual (pra mim já ta bom), construída por nós dois… nós, e sem quartos debaixo da escada.

Estou indo embora, e eu prometo tentar voltar. Eles podem querer te usar para me pegar, e eu não posso perder você… caso contrário eu nunca mais me acharia.

Com muito amor,
Harry.